NEUROGAMES

Desenvolvimento de Sistema de Jogos Sérios

A definição de “jogos sérios” assenta na ideia segundo a qual se pode fornecer ao grande público um conjunto de jogos cognitivos que visam, através da dimensão lúdica, promover uma otimização de funções cognitivas que habilitem a pessoa de maior capacidade de desempenho quer das suas funções laborais, quer das suas atividades em geral.

 

É hoje consensual que um dos meios de se otimizar o funcionamento cognitivo de pessoas saudáveis é através da utilização de jogos sérios, quer em regime presencial com terapeuta, quer em regime de autoaplicação. Ou seja, a questão da sua utilização não é questionada em termos científicos. O que é questionado é a sua validade, em termos de eficácia, no formato de autoaplicação. Muitas variáveis têm sido elencadas como responsáveis por esta putativa não eficácia: desde logo, a motivação para prosseguir os exercícios conforme planeado, mas também – e essa parece-nos ser a mais importante – o ajustamento dos jogos às necessidades concretas de um utilizador singular. Esta questão parece-nos ser a que tem maior validade científica.

 

Senão vejamos. É, hoje, consensual, que os algoritmos de desempenho cognitivo são individualizados, o que significa que a otimização do desempenho cognitivo de uma pessoa não é passível de ser generalizada a uma fórmula geral de otimização de uma população (seja uma população de estudantes universitários, seja uma população de quadros superiores, seja de uma população de criativos, isto a título de exemplo). Para um sujeito A pode ser necessário otimizar-se a sua função executiva, enquanto que para um sujeito B pode ser necessário otimizar-se a sua atenção focada ou concentração.

 

Ora, esta variável constitui o principal foco do nosso projeto de otimização cognitiva através da disponibilização no mercado de jogos sérios com a capacidade de previamente à disponibilização dos jogos a um determinado utilizador, serem registados e analisados os seus dados de desempenho em tarefas de avaliação cognitivo-emocional com vista à criação do seu perfil de desempenho cognitivo. Este perfil terá com certeza pontos fortes e pontos fracos e o que nos move é fornecer um conjunto de jogos que visem, precisamente, otimizar os seus pontos fracos e não todo o sistema cognitivo. Deste modo, entendemos que estaremos a colmatar uma das principais críticas a este tipo de produtos feito pela comunidade científica.

A atividade de Desenvolvimento de Sistema de Jogos Sérios tem como finalidade a criação de uma plataforma online de estimulação cognitiva com vista ao melhoramento cognitivo e emocional de pessoas saudáveis. Tem como base uma inicial avaliação fina da neuro-cognição, estimulação cognitiva e otimização do funcionamento cerebral ao nível do funcionamento cognitivo, emocional e comportamental do sujeito no seu quotidiano.

 

Daí que, para além dos jogos serem criados a partir das regras do funcionamento cognitivo normal já conhecidas, a sua apresentação será feita numa plataforma criada para o efeito através de um layout também ele criado para o efeito e representarão situações adaptadas aos estilos de vida modernos e terão como contribuição essencial o carácter de jogo, que constitui um dos aspetos psicológicos centrais no desenvolvimento humano (desenvolvimento pelo lúdico e desafiante).

 

Na verdade, o que distingue os jogos sérios de outro tipo de jogos é o seu foco em resultados específicos e intencionais em termos de aprendizagem e desenvolvimento com vista a atingir-se mudanças sustentadas e mensuráveis quer no desempenho, quer no comportamento. O desenho para este tipo de aprendizagem representa uma nova e complexa área do design no mundo dos jogos, precisamente pelo balanço que deve existir entre os aspetos desenvolvimentais e de aprendizagem e os aspetos de entretenimento inerentes à experiência de jogar.

 

Um dos aspetos inovadores deste tipo de jogos é a sua monitorização em backoffice automatizado para definir a sequenciação dos jogos em função do desempenho específico de cada participante.

 

A premissa da estimulação cognitiva será a otimização cognitiva, emocional e comportamental, através da estimulação de domínios cognitivos previamente determinados.

Desenvolver um sistema de “Jogos Sérios” que seja monitorizado por um sistema computacional que devolva ao utilizador um feedback do seu desempenho, feedback este que guiará a escolha da sequência de jogos mais adaptada ao seu algoritmo cognitivo – ou seja, um sistema de jogos sérios centrados sobre a pessoa concreta e, em consequência, monitorizado a partir dos dados da própria pessoa.

  1. Construção de uma plataforma web que contenha avaliação neurocognitiva, emocional e de desempenho comportamental.
  2. Criação de algoritmos que indiquem que tipo de estimulação cognitiva é necessária a cada perfil cognitivo, emocional e comportamental.
  3. Criação dos jogos sérios dirigidos a cada uma das funções cognitivas.
  4. Desenvolvimento de 9 jogos-exercícios com 3 níveis de dificuldade cada um, no total 27 jogos, designados genericamente por jogos sérios, que consistem num conjunto de exercícios de treino cognitivo. Os jogos sérios são disponibilizados por computador, via online, com estimulação auditiva e visual, com vista a melhorarem as funções cognitivas.
  5. Testes em 100 voluntários saudáveis.

Brevemente…

CONTEXTO

A definição de “jogos sérios” assenta na ideia segundo a qual se pode fornecer ao grande público um conjunto de jogos cognitivos que visam, através da dimensão lúdica, promover uma otimização de funções cognitivas que habilitem a pessoa de maior capacidade de desempenho quer das suas funções laborais, quer das suas atividades em geral.

 

É hoje consensual que um dos meios de se otimizar o funcionamento cognitivo de pessoas saudáveis é através da utilização de jogos sérios, quer em regime presencial com terapeuta, quer em regime de autoaplicação. Ou seja, a questão da sua utilização não é questionada em termos científicos. O que é questionado é a sua validade, em termos de eficácia, no formato de autoaplicação. Muitas variáveis têm sido elencadas como responsáveis por esta putativa não eficácia: desde logo, a motivação para prosseguir os exercícios conforme planeado, mas também – e essa parece-nos ser a mais importante – o ajustamento dos jogos às necessidades concretas de um utilizador singular. Esta questão parece-nos ser a que tem maior validade científica.

 

Senão vejamos. É, hoje, consensual, que os algoritmos de desempenho cognitivo são individualizados, o que significa que a otimização do desempenho cognitivo de uma pessoa não é passível de ser generalizada a uma fórmula geral de otimização de uma população (seja uma população de estudantes universitários, seja uma população de quadros superiores, seja de uma população de criativos, isto a título de exemplo). Para um sujeito A pode ser necessário otimizar-se a sua função executiva, enquanto que para um sujeito B pode ser necessário otimizar-se a sua atenção focada ou concentração.

 

Ora, esta variável constitui o principal foco do nosso projeto de otimização cognitiva através da disponibilização no mercado de jogos sérios com a capacidade de previamente à disponibilização dos jogos a um determinado utilizador, serem registados e analisados os seus dados de desempenho em tarefas de avaliação cognitivo-emocional com vista à criação do seu perfil de desempenho cognitivo. Este perfil terá com certeza pontos fortes e pontos fracos e o que nos move é fornecer um conjunto de jogos que visem, precisamente, otimizar os seus pontos fracos e não todo o sistema cognitivo. Deste modo, entendemos que estaremos a colmatar uma das principais críticas a este tipo de produtos feito pela comunidade científica.

DESCRIÇÃO

A atividade de Desenvolvimento de Sistema de Jogos Sérios tem como finalidade a criação de uma plataforma online de estimulação cognitiva com vista ao melhoramento cognitivo e emocional de pessoas saudáveis. Tem como base uma inicial avaliação fina da neuro-cognição, estimulação cognitiva e otimização do funcionamento cerebral ao nível do funcionamento cognitivo, emocional e comportamental do sujeito no seu quotidiano.

 

Daí que, para além dos jogos serem criados a partir das regras do funcionamento cognitivo normal já conhecidas, a sua apresentação será feita numa plataforma criada para o efeito através de um layout também ele criado para o efeito e representarão situações adaptadas aos estilos de vida modernos e terão como contribuição essencial o carácter de jogo, que constitui um dos aspetos psicológicos centrais no desenvolvimento humano (desenvolvimento pelo lúdico e desafiante).

 

Na verdade, o que distingue os jogos sérios de outro tipo de jogos é o seu foco em resultados específicos e intencionais em termos de aprendizagem e desenvolvimento com vista a atingir-se mudanças sustentadas e mensuráveis quer no desempenho, quer no comportamento. O desenho para este tipo de aprendizagem representa uma nova e complexa área do design no mundo dos jogos, precisamente pelo balanço que deve existir entre os aspetos desenvolvimentais e de aprendizagem e os aspetos de entretenimento inerentes à experiência de jogar.

 

Um dos aspetos inovadores deste tipo de jogos é a sua monitorização em backoffice automatizado para definir a sequenciação dos jogos em função do desempenho específico de cada participante.

 

A premissa da estimulação cognitiva será a otimização cognitiva, emocional e comportamental, através da estimulação de domínios cognitivos previamente determinados.

OBJETIVOS

Desenvolver um sistema de “Jogos Sérios” que seja monitorizado por um sistema computacional que devolva ao utilizador um feedback do seu desempenho, feedback este que guiará a escolha da sequência de jogos mais adaptada ao seu algoritmo cognitivo – ou seja, um sistema de jogos sérios centrados sobre a pessoa concreta e, em consequência, monitorizado a partir dos dados da própria pessoa.

TAREFAS
  1. Construção de uma plataforma web que contenha avaliação neurocognitiva, emocional e de desempenho comportamental.
  2. Criação de algoritmos que indiquem que tipo de estimulação cognitiva é necessária a cada perfil cognitivo, emocional e comportamental.
  3. Criação dos jogos sérios dirigidos a cada uma das funções cognitivas.
  4. Desenvolvimento de 9 jogos-exercícios com 3 níveis de dificuldade cada um, no total 27 jogos, designados genericamente por jogos sérios, que consistem num conjunto de exercícios de treino cognitivo. Os jogos sérios são disponibilizados por computador, via online, com estimulação auditiva e visual, com vista a melhorarem as funções cognitivas.
  5. Testes em 100 voluntários saudáveis.
RESULTADOS

Brevemente…